Torcer sem coletivo está nos fazendo mal: sobre “segunda tela”, imprensa esportiva e crises no futebol

Por Rodrigo Barneschi

Sem ter muito o que dizer sobre mais um jogo espremido por um calendário criminoso, o narrador lança mão de uma informação de procedência e qualidade duvidosas: “Olha, a galera no Twitter está dizendo que o técnico mexeu errado no time”.

A “galera no Twitter” é o equivalente futebolístico do famigerado “mercado”. É uma expressão que, tão abstrata quanto imprecisa, serve para construir qualquer raciocínio, a favor ou contra.

A “galera no Twitter” nunca teve muita relevância, mas, nesses tempos pandêmicos em que não há mais manifestações vindas da arquibancada, a imprensa teve de recorrer ao descalibrado e ruidoso termômetro das redes sociais para dialogar com um público que, incapaz de apenas assistir ao jogo e sobre ele refletir, vive aprisionado a essa maluquice de “segunda tela”.

PARA LER MAIS, CLIQUE NA IMAGEM E ACESSE A COLUNA TRIVELA NA BANCADA:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s