Morituri mortuis: até onde irá o lobby pelo clube-empresa?

Por Luciano Motta (convidado)

Os tempos difíceis já não são novidade. Fruto de diversas situações: pandemia, politicagem exacerbada, forte polarização política, etc. A história do clube-empresa, infelizmente, guarda enorme similitude com o presente momento. Antes, porém, é preciso regredir no tempo.

Inicialmente, em boa parte da Europa (por exemplo, Itália, França, Espanha, Portugal), mas não só, fora proposto como remédio milagroso que revigoraria clubes de futebol moribundos e enfermos que apresentavam déficits constantes e uma mescla de má-gestão com gestão temerária, culminando na difusão de um termo genérico e estéril: “mal geridos”.

No Brasil não foi diferente. O tema que se iniciou na década de 1970, ganhou proporções inimagináveis cujo ápice foi a obrigatoriedade em se adotar essa tipologia jurídica com o advento da Lei Pelé (Lei n. 9.615/1998).

PARA LER MAIS, CLIQUE NA IMAGEM E ACESSE A COLUNA TRIVELA NA BANCADA:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s