A imprensa esportiva, a arquibancada e o abismo entre elas

Por Rodrigo Barneschi

Imagine um desfiladeiro. De um lado, temos a arquibancada, seus frequentadores e seus códigos bem particulares. Do outro lado, desconectada do que se passa no concreto de um estádio, a imprensa esportiva.

De um lado, torce-se sob sol e chuva — ao menos antes da pandemia. Do outro, há quem distorça no conforto proporcionado por um bom aparelho de ar condicionado — e isto já acontecia antes mesmo dos tempos de exceção. Os dois lados parecem compartilhar o mesmo ambiente, mas raros são os jornalistas que se aventuram a atravessar a ponte entre os dois lados do desfiladeiro.

Não é de hoje — e não é só no Brasil — que se pode apontar como conflituosa a relação entre mídia esportiva e aficionados. Mas os 15 meses de portões fechados acentuaram as divergências para além do sustentável: sem poder ir a estádios, o torcedor perdeu acesso direto ao seu objeto de adoração e agora é obrigado a aturar um intermediário entre ele e o campo de jogo. E o intermediário, via de regra, faz pouco caso do torcedor e agora fala para ainda mais gente: aos espectadores de sempre juntaram-se os órfãos da arquibancada.

PARA LER MAIS, CLIQUE NA IMAGEM E ACESSE A COLUNA TRIVELA NA BANCADA:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s